sábado, 18 de junho de 2011

:)


Well I wish there was someone
Well I wish there was someone to love me
When I used to be someone
and I knew there was someone that loved me
as I sit here frozen alone
even ghosts get tired and go home
as they crawl back under the stones

And I wish there was something
please tell me there's something better
and I wish there was something more than this
Saturated loneliness

and I wish I could feel it
and I wish I could steal it
abduct it, corrupt it
but I never can, it's just
Saturated loneliness

Does the silence get lonely
Does the silence get lonely
Who knows?
I've been hearing it tell me
I've been hearing it tell me, "go home"
'cause the freaks are playing tonight
they packed up and turned out the lights

And I wish there was something
please tell me theres something better
and I wish there was something more than this
Saturated loneliness

and I wish I could feel it
and I wish I could steal it
abduct it, corrupt it
but I never can, it's just
saturated loneliness

and the bathwaters cold
and this life's getting old

and I wish I could feel it
and I wish I could feel it
and I wish I could steal it
abduct it, corrupt it

and I wish I could feel it
and I wish I could steal it
and I wish I could feel it
abduct it, corrupt it
but I never can,
I never can
never can
never can
never can

terça-feira, 14 de junho de 2011

Waking Life - um filme em estado puro #5

"They say that dreams are only real as long as they last. Couldn't you say the same thing about life?"

"There's only one instant, and it's right now. And it's eternity."

"The worst mistake that you can make is to think you're alive when really you're asleep in life's waiting room."


Brilhante.

domingo, 12 de junho de 2011

Waking life - um filme em estado puro #4


(O que ele diz, em inglês)
The reason why I refuse to take existentialism as just another French fashion or historical curiosity, is that I think it has something very important to offer us for the new century. I'm afraid we're losing the real virtues of living life passionately in the sense of taking responsibility for who you are, the ability to make something of yourself and feel good about life. Existentialism is often discussed as if it's, a philosophy of despair, but I think the truth is just the opposite. Sartre, once interviewed, said he never really felt a day of despair in his life. One thing that comes out from reading these guys is not a sense of anguish about life so much as, a real kind of exuberance, of feeling on top of it, it's like your life is yours to create. I've read the post modernists with some interest, even admiration, but when I read them I always have this awful nagging feeling that something absolutely essential is getting left out. The more you talk about a person as a social construction or as a confluence of forces or as fragmented of marginalised, what you do is you open up a whole new world of excuses. And when Sartre talks about responsibility, he's not talking about something abstract. He's not talking about the kind of self or soul that theologians would argue about. It's something very concrete, it's you and me talking, making decisions, doing things, and taking the consequences. It might be true that there are six billion people in this world, and counting, but nevertheless - what you do makes a difference. It makes a difference, first of all, in material terms, it makes a difference to other people, and it sets an example. In short, I think the message here is that we should never simply write ourselves off or see each other as a victim of various forces. It's always our decision who we are.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Waking Life - um filme em estado puro #3


"Creation seems to come out of imperfection, it seems to come out from a striving and a frustration..."

"words are symbols, are inert, are dead"

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Há letras que não precisam de música.

"Inside"

Inside the doors are sealed to love
Inside my heart is sleeping
Inside the fingers of my glove
Inside the bones of my right hand
Inside it's colder than the stars
Inside the dogs are weeping
Inside the circus of the wind
Inside the clocks are filled with sand
Inside she'll never hurt me
Inside the winter's creeping
Inside the compass of the night
Inside the folding of the land

Outside the stars are turning
Outside the world's still burning

Inside my head's a box of stars I never dared to open
Inside the wounded hide their scars, inside this lonesome sparrow's fall
Inside the songs of our defeat, they sing of treaties broken
Inside this army's in retreat, we hide beneath the thunder's call

Outside the rain keeps falling
Outside the drums are calling
Outside the flood won't wait
Outside they're hammering down the gate

Love is the child of an endless war
Love is an open wound still raw
Love is a shameless banner unfurled
Love's an explosion,
Love is the fire of the world
Love is a violent star
A tide of destruction
Love is an angry scar
A violation, a mutilation, capitulation, love is annihilation.

Inside the failures of the light, the night is wrapped around me
Inside my eyes deny their sight, you'd never find me in this place
Inside we're hidden from the moonlight, we shift between the shadows
Inside the compass of the night, inside the memory of your face

Outside the walls are shaking
Inside the dogs are waking
Outside the hurricane won't wait
Inside they're howling down the gate

Love is the child of an endless war
Love is an open wound still raw
Love is a shameless banner unfurled
Love's an explosion,
Love is the fire at the end of the world
Love is a violent star
A tide of destruction
Love is an angry scar
The pain of instruction
Love is a violation, a mutilation, capitulation,
Love is annihilation.

I climb this tower inside my head
A spiral stair above my bed
I dream the stairs don't ask me why,
I throw myself into the sky

Love me like a baby, love me like an only child
Love me like an ocean; love me like a mother mild
Love me like a father, love me like a prodigal son
Love me like a sister, love me like the world has just begun
Love me like a prodigy, love me like an idiot boy,
Love me like an innocent, love me like your favorite toy
Love me like a virgin, love me like a courtesan,
Love me like a sinner, love me like a dying man.

Annihilate me, infiltrate me, incinerate me, accelerate me, mutilate me, inundate me, violate me, implicate me, vindicate me, devastate me

Love me like a parasite, love me like a dying sun
Love me like a criminal, love me like a man on the run

Radiate me, subjugate me, incubate me, recreate me, demarcate me, educate me, punctuate me, evaluate me, conjugate me, impregnate me, designate me, humiliate me, segregate me, opiate me, calibrate me, replicate me.

Sting

terça-feira, 31 de maio de 2011

segunda-feira, 30 de maio de 2011

sábado, 28 de maio de 2011

It's unbelievable how the pattern of love is similar to the pattern of insanity.

Matrix

quinta-feira, 26 de maio de 2011

quarta-feira, 25 de maio de 2011

.

"Vamos fazer de conta que isto nunca aconteceu, podia começar assim. Como um contrato verbal celebrado entre todos nós. Como se não fosse preciso dizer mais nada a partir deste momento para a vida começar a uir espontaneamente e cada um de nós encontrasse o seu lugar nela. Sem cláusulas. Vamos fazer de conta que nunca vimos nada. Vamos fazer de conta até não precisarmos de fazer de conta, até não pensarmos realmente no que vimos até aqui, até este momento se tornar inaugural, até reaprendermos novamente a capacidade de olhar para as coisas, de nos perdermos com as coisas até nos encontrarmos com elas. Repito. Vamos fazer de conta que isto nunca aconteceu. Continuo. Proponho esquecer a repetição como lixo, proponho eliminar a repetição das coisas como cópia do original. Eliminar toda a cópia que cega, eis um principio. O eterno original, nada mais pode existir fora do original. Isto exige esforço, exige a perda do hábito de "passarmos os olhos pelas coisas", como se olhá-las fosse já nos escaparmos delas, como se a possibilidade de encontrá-las fosse já a certeza de perdê-las."

domingo, 22 de maio de 2011

Principezinho XI - O essencial é invisível para os olhos...


E, claro, agora já passaram seis anos… nunca contei esta história a ninguém. Quando voltei, os meus colegas tiveram uma grande alegria por eu não ter morrido. Eu estava triste, mas dizia-lhes “é do cansaço…”
Depois, fui-me consolando. Enfim… quase. Mas tenho a certeza absoluta de que o principezinho voltou para o planeta dele. (…) E, à noite, gosto de me pôr a ouvir as estrelas. São mesmo quinhentos milhões de guinzinhos…

Mas passa-se uma coisa extraordinária. Como me esqueci de pôr a correia no açaimo e como, sem correia, o principezinho nunca se pode ter servido dele, ando sempre com uma dúvida: a ovelha terá ou não comido a flor?

Umas vezes penso: “Claro que não! O principezinho põe a flor todas as noites debaixo da redoma de vidro e, de dia,não tira os olhos da ovelha…” E fico feliz. E todas as estrelas se põem a rir baixinho.

Outras vezes, penso: “Uma distracção e basta… se calhar, um dia, o principezinho esqueceu-se da redoma de vidro… ou a ovelha escapou-se-lhe de noite, sem fazer barulho…” E todos os guinzinhos se transformam em lágrimas!

Que grande mistério! Vão ver que também para vocês, que gostam do principexinho, nada no Universo fica na mesma se algures, não se sabe bem onde, uma ovelha que nós não conhecemos tiver ou não comido uma rosa…

Ora olhem para o céu e pensem: “A ovelha terá ou não comido a flor?” Vão ver como tudo muda…

E nunca nenhuma pessoa crescida há-de entender como isso é importante!

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Principezinho X - O essencial é invisível para os olhos...


(…)

- O que é importante não se vê…

- Pois não…

- É como com a flor. Quando se ama uma flor que está plantada numa estrela, é bom olhar para o céu. Todas as estrelas ficam floridas…

- Pois ficam…

- E é como a água. A que tu me deste de beber parecia uma música, por causa da roldana e da corda… Lembras-te?... Era tão boa!

- Pois era...

- Daqui a tempos, quando estiveres outra vez em casa, vais-te pôr à noite a olhar para as estrelas. A minha é pequenina demais para ser ver daqui e eu ta poder mostrar. Mas é melhor assim: para ti, qualquer estrela vai ser a minha estrela. Vais gostar de olhar para as estrelas todas… todas elas passam a ser tuas amigas.

(…)

- As pessoas têm estrelas que não são as mesmas. Para os viajantes, as estrelas são guias. Para outros, não passam de luzinhas. Ainda para outros, os cientistas, são problemas. Para o meu homem de negócios, eram outro. Mas todas essas estrelas estão caladas. Tu, tu vais ter estrelas como mais ninguém…

- isso quer dizer o quê?

- à noite, vais-te pôr a olhar para o céu e, porque eu moro numa delas, porque eu me estou a rir numa delas, então, para ti, vai ser como ser todas as estrelas se rissem! Vais ser a única pessoa do mundo que tem estrelas a rir!

Voltou a rir.

- E quando estiveres consolado (afinal acabamos sempre por nos consolar), vais ficar contente de me teres conhecido. Vais ser sempre meu amigo. Vai-te apetecer rir comigo. E, às vezes, sem mais nem menos, vais abrir a janela, só por ser bom… E os teus amigos vão ficar espantados por te verem a olhar para o céu e a rir. Mas tu dizes-lhes: “Pois é! As estrelas dão-me sempre vontade de rir!” E eles vão ficar a pensar que não estás bom da cabeça. Bela partida a minha…

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Principezinho IX - O essencial é invisível para os olhos...


“- Os homens bem se encafuam dentro dos comboios, mas já não sabem do que andam à procura – disse o principezinho. – Andam sempre à roda.”

(…)

- Os homens da tua terra são capazes de plantar cinco mil rosas no mesmo sítio… - disse o principezinho. – E, apesar de terem um jardim com muitas rosas, não descobrem aquilo de que andam à procura… e podiam descobrir aquilo de que andam à procura numa única rosa ou num único golo de água.

- Pois era – respondi eu.

O principezinho acrescentou:

- Mas os olhos são cegos. Só se procura bem com o coração.

(…)

Quando nos deixamos cativar, é certo e sabido que algum dia alguma coisa nos há-de fazer chorar.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Principezinho VIII - O essencial é invisível para os olhos



“É bom ter tido um amigo, mesmo quando se vai morrer”
“O que torna o deserto bonito é ele ter um poço escondido algures por aí… (…) o que lhes dá beleza nunca se vê!”

sábado, 14 de maio de 2011

Principezinho VII - O essencial é invisível para os olhos

- Olá, bom dia! – disse o principezinho.

- Olá, bom dia! – disse o vendedor.

Era um vendedor de comprimidos para tirar a sede. Toma-se um por semana e deixa-se de ter necessidade de beber.

- Andas a vender isso porquê?

- Porque é uma enorme economia de tempo – respondeu o vendedor. – Os cálculos foram feitos por peritos. Pouparam-se cinquenta e três minutos por semana.

- E com esses cinquenta e três minutos faz-se o quê?

- Faz-se o que se quiser…

“Eu”, pensou o principezinho, “eu cá se tivesse cinquenta e três minutos para gastar, punha-me a andar muito calmamente à procura de uma fonte”.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Principezinho VI - O essencial é invisível para os olhos


Foi então que apareceu a raposa.

- Olá, bom dia! – disse a raposa.

- Olá, bom dia! – respondeu educadamente o principezinho, que se virou para trás mas não viu ninguém.

- Estou aqui, debaixo da macieira – disse a voz.

- Quem és tu? – perguntou o principezinho – És bem bonita…

- Sou uma raposa – disse a raposa.

- Anda brincar comigo – pediu-lhe o principezinho – estou tão triste…

- Não posso ir brincar contigo. Ainda ninguém me cativou…

- Ah! Então, desculpa!

Mas pôs-se a pensar, a pensar, e acabou por perguntar:

- “Cativar”, quer dizer o quê?

(…)

- É uma coisa de que toda a gente se esqueceu – disse a raposa. – Quer dizer “criar laços”…

- Criar laços?

- Sim, laços – disse a raposa. Ora vê: por enquanto, tu não és para mim senão um rapazinho perfeitamente igual a cem mil outros rapazinhos. E eu não preciso de ti. E tu também não +recisas de mim. Por enquanto eu não sou para ti senão uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativares, passamos a precisar um do outro. Passas a ser único no mundo para mim. E eu também passo a ser única no mundo para ti…

- Parece-me que estou a perceber – disse o principezinho – Sabes, há uma certa flor… tenho a impressão que ela me cativou…

- É bem possível – disse a raposa. – vê-se cada coisa cá na Terra…

- Oh! Mas não é na Terra!

(…)

- Não há bela sem senão… - suspirou a raposa.

Mas voltou a insistir na mesma ideia:

- Tenho uma vida terrivelmente monótona. Eu caço galinhas e os homens caçam-me a mim. As galinhas são todas parecidas umas com as outras e os homens são todos parecidos uns com os outros. Por isso, às vezes, aborreço-me muito. Mas, se tu me cativares, a minha vida fica cheia de sol. Fico a conhecer uns passos diferentes de todos os outros passos. Os outros passos fazem-me fugir para debaixo da terra. Os teus hão-de chamar-me para fora da toca, como uma musica. E depois, repara! Estás a ver aqueles campos de trigo ali adiante? Eu não gosto de pão e, por isso, o trigo não me serve para nada. Os campos de trigo não me fazem lembrar nada. E é uma triste coisa! Mas os teus cabelos são da cor do outro. Então, quando tu me tiveres cativado, vai ser maravilhoso! O trigo é dourado e há-de fazer-me lembrar de ti. E hei-de gostar do som do vento a bater no trigo…

A raposa calou-se e ficou a olhar para o principezinho durante muito tempo.

- Se fazes favor… Cativa-me! – acabou finalmente por pedir.

- Eu bem gostava – respondeu o principezinho – mas não tenho muito tempo. Tenho amigos para descobrir e uma data de coisas para conhecer…

- Só conhecemos o que cativamos – disse a raposa. – Os homens deixaram de ter tempo para conhecer o que quer que seja. Compram as coisas já feitas aos vendedores. Mas como não há vendedores de amigos, os homens deixaram de ter amigos. Se queres um amigo, cativa-me!

- E tenho de fazer o quê? – disse o principezinho.

- Tens de ter muita paciência. Primeiro, sentas-te longe de mim, assim, na relva. Eu olho para ti pelo canto do olho e tu não dizes nada. A linguagem é uma fonta de mal-entendidos. Mas podes sentar-te cada dia um bocadinho mais perto…

O principezinho voltou no dia seguinte.

- Era melhor teres vindo à mesma hora – disse a raposa. – Por exemplo, se vieres às quatro horas, às três, já eu começo a estar feliz. E quanto mais perto for da hora, mais feliz me sinto. Às quatro em ponto hei-de estar toda agitada e toda inquieta: fico a conhecer o preço da felicidade! Mas se chegares a uma hora qualquer, eu nunca vou saber a que horas hei-de começar a arranjar o meu coração, a vesti-lo, a pô-lo bonito… Precisamos de rituais.

- O que é um ritual?

- Também é uma coisa de que toda a gente se esqueceu – disse a raposa. – É o que torna um dia diferente dos outros, e uma hora diferente das outras horas. Por exemplo, os meus caçadores têm um ritual. À quinta-feira, vão dançar com as raparigas da aldeia. Por isso, quinta-feira é um dia maravilhoso. Eu posso ir passear às vinhas. Se os caçadores fossem dançar num dia qualquer, os dias eram todos iguais uns aos outros e eu nunca tinha férias.

E o principezinho cativou a raposa. Mas quando se aproximou a hora de despedida:

- Ai! – suspirou a raposa. – Ai que me vou pôr a chorar…

- A culpa é tua – disse o principezinho – Eu não te desejava mal nenhum, mas tu pediste para eu te cativar…

- Pois pedi – disse a raposa.

- Mas agora vais-te pôr a chorar! – disse o principezinho.

- Pois vou – disse a raposa.

- Então não ganhaste nada com isso!

- Ai ganhei, sim senhor! – disse a raposa. – Por causa da cor do trigo…

E acrescentou:

- Anda, vai ver as rosas outra vez. Vais entender que a tua é única no mundo. Quando vieres ter comigo, dou-te um presente de despedida: conto-te um segredo.

O principezinho foi ver as rosas outra vez.

- Vocês não são nada parecidas com a minha rosa! Vocês ainda não são nada – disse-lhes ele. Ninguém vos cativou e vocês não cativaram ninguém. São como a minha raposa era, uma raposa perfeitamente igual a cem mil outras raposas. Mas eu tornei-a minha amiga e ela passou a ser única no mundo.

E as rosas ficaram bastantes arreliadas.

- Vocês são bonitas, mas vazias – insistiu o principezinho – não se pode morrer por vocês. Claro que, para um transeunte qualquer, a minha rosa é igual a vocês. Mas, sozinha, é muito mais importante do que vocês todas juntas, porque foi ela que eu reguei. Porque foi ela que eu pus debaixo de uma redoma. Porque foi ela que eu abriguei com o biombo. Porque foi a ela que eu matei as lagartas (menos duas ou três, por causa das borboletas). Porque foi a ela que eu ouvi queixar-se, gabar-se e até, algumas vezes, calar-se. Porque ela é a minha rosa.

Depois voltou para o pé da raposa e despediu-se:

- Adeus…

- Adeus – despediu-se a raposa. – Agora vou contar-te o tal segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos…

- O essencial é invisível para os olhos – repetiu o principezinho, para nunca mais se esquecer.

- Foi o tempo que tu perdeste com a tua rosa que tornou a tua rosa tão importante.

- Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa…

- Os homens já não se lembram desta verdade – disse a raposa. – Mas tu não te deves esquecer dela. Ficas responsável para todo o sempre por aquilo que cativaste. Tu és a responsável pela tua rosa…

- Eu sou o responsável pela minnha rosa… - repetiu o principezinho, para nunca mais se esquecer.

domingo, 8 de maio de 2011

O Principezinho IV - O essencial é invisível para os olhos...

Às vezes, quando queremos ter graça, damos por nós a mentir. Devo confessar que não foi muito honesto da minha parte pôr-me a falar dos acendedores de candeeiros. Quem não conheça o nosso planeta, pode ficar com uma ideia errada dele. Na realidade, os homens só ocupam uma pequena porção da Terra. Se os dois mil milhões de habitantes da Terra se pudessem de pé ao lado uns dos outros, como num comício, cabiam todos, à vontade, numa praça de vinte milhas de comprimento por vinte milhas de largura. Bem amontoada, a Humanidade cabia toda inteira na olhota mais pequena do Oceano Pacífico.

As pessoas crescidas, é claro, não vão acreditar. Pensam que ocupam muito espaço. Julgam-se tão importantes como embondeiros. Assim, é melhor vocês dizerem-lhes para fazerem as contas. As pessoas crescidas adoram números e ficam logo satisfeitas. Mas vocês, vocês que confiam em mim, não percam tempo a repetir tudo. Eu fiz as contas…

Uma vez, na Terra, o principezinho ficou muito admirado por não ver ninguém. Já estava com medo de se ter enganado de planeta, quando viu um anel da cor da lua a mexer na areia.

- Olá, boa noite! – lançou o principezinho para os ares, a ver o que aquilo dava.

- Olá, boa noite! – disse a serpente.

- Em que planeta caí eu? – perguntou o principezinho

- Na Terra, em África – respondeu a serpente.

- Ah!... E então na Terra não há ninguém?

- Aqui é o deserto. Nos desertos não há ninguém. A Terra é muito grande – disse a serpente.

O principezinho sentou-se numa pedra e olhou para o céu:

- Se calhar, as estrelas só têm luz para cada um de nós um dia encontrar a sua. Olha o meu planeta. Está mesmo aqui por cima… e fica tão longe!

(…)

- Por onde andam os homens? – perguntou o principezinho, passado algum tempo. – No deserto está-se um bocado sozinho…

- Também se está sozinho ao pé dos homens – disse a serpente.

O principezinho observou-a durante muito tempo e disse:

- Que bicho mais engraçado que tu me saíste! Fina como um dedo…

- Mas muito mais poderosa do que o dedo de um rei – disse a serpente

O principezinho sorriu:

- Não és nada… Nem sequer tens patas… nem sequer podes viajar…

- E posso levar-te muito mais longe do que um navio – disse a serpente.

Enrolou-se à volta do tornezelo do principezinho, como uma pulseira de ouro, e continuou:

- quando toco em alguém, devolvo-o imediatamente à terra de onde saiu. Mas tu és puro e vieste de uma estrela…

O principezinho não respondeu.

- Tenho dó de ti, assim, tão fraco, nesta Terra de granito. Se um dia tiveres muitas saudades do teu planeta, eu posso ajudar-te. Posso…

- Oh! Escusas de continuar, eu já percebi! – disse o principezinho. – Mas porque só falas por enigmas?

- Resolvo-os a todos – disse a serpente.

E ambos se calaram.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

O Principezinho III - O essencial é invisível para os olhos...


(…) – Se eu ordenasse a um general que voasse de flor em flor como as borboletas, ou que escrevesse uma tragédia, ou que se transformasse em gaivota e se o general não executasse a ordem recebida, de quem era a culpa: minha ou dele?

- Era Vossa – respondeu firmemente o principezinho.

- Pois era. Só se pode exigir a uma pessoa o que essa pessoa pode dar – prosseguiu o rei. A autoridade baseia-se, antes de mais, no bom senso. Se um rei ordenar ao seu povo que se deite ao mar, ele revolta-se. Eu, eu tenho o direito de exigir obediência porque as minhas ordens são sensatas.

(…)

- Não tenho mais nada a fazer aqui! Disse ao rei – Vou-me embora.

- Não te vás embora – respondeu o rei, que estava tão orgulhoso por ter um súbdito – Não te vás embora, eu faço-te ministro!

- Ministro de quê?

- De… de justiça!

- Mas não há aqui ninguém para julgar!

- Nunca se sabe – disse-lhe o rei. – Ainda não dei a volta ao meu reino. Estou muito velho, não tenho espaço para uma carruagem e cansa-me andar a pé.

- Mas eu já dei a volta a tudo – disse o principezinho. – Do outro lado também não há ninguém…

- Então, julgas-te a ti próprio – respondeu o rei. – É o mais difícil de tudo. É muito mais difícil julgarmo-nos a nós próprios do que aos outros. Se conseguires julgar-te bem a ti próprio, és um autêntico sábio.

- Mas eu posso julgar-me a mim próprio em qualquer lugar. Não preciso viver aqui.

- Bom…bom… - disse o rei. – Tenho a impressão que anda por aí uma velha ratazana. Costumo ouvi-la à noite. Podes julgar essa ratazana. De tempos a tempos, condena-la à morte, e a vida dela fica suspensa da tua justiça. Depois agracia-la sempre. Como só há uma…

- Mas eu não gosto de condenar à morte – respondeu o principezinho. – Acho que me vou mesmo embora.

- Não vás – disse o rei.

O principezinho acabou os preparativos. Como não queria magoar o velho monarca, sugeriu:
- Vossa Majestade: se desejais ser pontualmente obedecido, tendes agora uma boa oportunidade de dar uma ordem sensata. Ordenai, por exemplo, que eu já aqui não esteja dentro de um minuto. As condições parecem-me as mais favoráveis…

O rei não respondeu. Primeiro, o principezinho hesitou: depois, deu um suspiro e foi-se embora.

- Faço-te meu embaixador! – apressou-se a gritar o rei.

E arvorava uns ares de grande autoridade.

“As pessoas crescidas são mesmo muito esquisitas”, foi o principezinho a pensar durante a viagem.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

O Principezinho II - O essencial é invisível para os olhos...

(…) tenho boas razões para pensar que o planeta de onde o principezinho tinha vindo era o asteróide B 612. Este asteróide foi visto ao telescópio uma única vez, em 1909, por um astrónomo turco. Nessa altura, o cientista fez uma grande demonstração da descoberta a um Congresso Internacional de Astronomia. Mas ninguém o levou a sério por causa da maneira como estava vestido. As pessoas crescidas são assim. Felizmente, para boa reputação do asteróide B 612, um ditador turco lembrou-se de impor ao seu povo, mas impor-lhe sob pena de morte, que passasse a trajar à ocidental. O astrónomo tornou a fazer a demonstração em 1920, agora muito bem posto. E toda a gente a aceitou.




Se vos contei isto tudo sobre o asteróide B 612 e se vos confiei o número dele foi por causa das pessoas crescidas. As pessoas crescidas gostam de números. Quando lhes falam de um amigo novo, nunca perguntam nada de essencial. Nunca perguntam “como é a voz dele? A que é que ele gosta mais de brincar? Faz colecção de borboletas?”. Em vez disso, perguntam: “que idade tem? Quantos irmãos tem? Quanto é que ele pesa? Quanto ganha o pai dele?”. Só então julgam ficar a saber quem é o vosso amigo. Se contarem às pessoas crescidas: “hoje vi uma casa muito bonita de tijolos cor-de-rosa, com gerânios nas janelas e pombas no telhado…”, as pessoas crescidas não conseguem imaginá-la. Precisam de lhes dizer: “Hoje vi uma casa que custou cem mil contos”. Então já são capazes de a admirar: “Mas que linda casa”.

Por isso, se lhes disserem “A prova de que o principezinho existiu é que ele era encantador, é que ele se ria e queria uma ovelha. Querer uma ovelha é a prova de que se existe”, as pessoas crescidas encolhem os ombros e aconselham-vos a não serem tão crianças. Mas se lhes disserem: “O planeta donde ele vinha era o asteróide B 612”, as pessoas crescidas ficam logo convencidas e não fazem mais perguntas. As pessoas crescidas são mesmo assim. Não vale a pena zangarmo-nos com elas. As crianças têm de ser muito indulgentes para as pessoas crescidas.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

O Principezinho I - O essencial é invisível para os olhos...

Uma vez, quando eu tinha seis anos, vi uma imagem magnífica num livro sobre a Floresta Virgem chamado “Histórias Vividas”. A gravura mostrava uma jibóia a engolir uma fera.

O livro dizia que “a gibóia engole a presa inteira, sem mastigar. Depois não se pode mexer e passa os seis meses de digestão a dormir”.

Então, pensei e tornei a pensar nas aventuras da selva, peguei num lápis de cor e fiz o meu primeiro desenho. O meu desenho número 1. Ficou assim:


Fui mostrar a minha obra-prima às pessoas crescidas. Perguntei-lhes se o meu desenho metia medo. As pessoas crescidas responderam “porque é que um chapéu havia de meter medo?”. O meu desenho não era um chapéu. O meu desenho era uma jobóia a fazer a digestão de um elefante. Para as pessoas crescidas entenderem, porque as pessoas crescidas estão sempre a precisar de explicações, fui desenhar a parte de dentro da jibóia. O meu desenho número 2 ficou assim:


As pessoas crescidas disseram que era preferível eu deixar-me de jibóias abertas e jibóias fechadas e dedicar-me à geografia, à história, à matemática e à gramática. E assim abandonei, aos seis anos de idade, uma magnifica carreira de pintor. Ficara completamente abalado com o insucesso do meu desenho número 1 e do meu desenho número 2. As pessoas crescidas nunca entendem nada sozinhas e uma criança acaba por se cansar de lhes estar sempre a explicar tudo.

Escolhi, portanto, outra profissão e aprendi a pilotar. Conheci grande parte do mundo de avião (…) com um trabalho deste género tive, evidentemente, uma data de contactos com uma data de gente importante. Vivi durante anos e anos no mundo das pessoas crescidas. Vi-as bem de perto. Não fiquei com muito melhor opinião delas. Mal encontrava uma com um ar um pouco mais lúcido, fazia-lhe a experiência do meu desenho número 1, que nunca deitei fora. Queria verificar se realmente era capaz de entender alguma coisa. Mas ouvia sempre a mesma resposta: “é um chapéu”. Então, não me punha a falar de jibóias, de florestas virgens ou de estrelas. Punha-me ao seu nível. Falava de bridge, de golfe, de política e de gravatas. E a pessoa crescida ficava toda contente por ter conhecido um homem tão sensato.

domingo, 1 de maio de 2011

O Principezinho II - O essencial é invisível para os olhos...

(…) tenho boas razões para pensar que o planeta de onde o principezinho tinha vindo era o asteróide B 612. Este asteróide foi visto ao telescópio uma única vez, em 1909, por um astrónomo turco. Nessa altura, o cientista fez uma grande demonstração da descoberta a um Congresso Internacional de Astronomia. Mas ninguém o levou a sério por causa da maneira como estava vestido. As pessoas crescidas são assim. Felizmente, para boa reputação do asteróide B 612, um ditador turco lembrou-se de impor ao seu povo, mas impor-lhe sob pena de morte, que passasse a trajar à ocidental. O astrónomo tornou a fazer a demonstração em 1920, agora muito bem posto. E toda a gente a aceitou.




Se vos contei isto tudo sobre o asteróide B 612 e se vos confiei o número dele foi por causa das pessoas crescidas. As pessoas crescidas gostam de números. Quando lhes falam de um amigo novo, nunca perguntam nada de essencial. Nunca perguntam “como é a voz dele? A que é que ele gosta mais de brincar? Faz colecção de borboletas?”. Em vez disso, perguntam: “que idade tem? Quantos irmãos tem? Quanto é que ele pesa? Quanto ganha o pai dele?”. Só então julgam ficar a saber quem é o vosso amigo. Se contarem às pessoas crescidas: “hoje vi uma casa muito bonita de tijolos cor-de-rosa, com gerânios nas janelas e pombas no telhado…”, as pessoas crescidas não conseguem imaginá-la. Precisam de lhes dizer: “Hoje vi uma casa que custou cem mil contos”. Então já são capazes de a admirar: “Mas que linda casa”.

Por isso, se lhes disserem “A prova de que o principezinho existiu é que ele era encantador, é que ele se ria e queria uma ovelha. Querer uma ovelha é a prova de que se existe”, as pessoas crescidas encolhem os ombros e aconselham-vos a não serem tão crianças. Mas se lhes disserem: “O planeta donde ele vinha era o asteróide B 612”, as pessoas crescidas ficam logo convencidas e não fazem mais perguntas. As pessoas crescidas são mesmo assim. Não vale a pena zangarmo-nos com elas. As crianças têm de ser muito indulgentes para as pessoas crescidas.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

()

(O) (que) (está) (oculto) (tende) (a ) (dar) (mais) (nas) (vistas), (precisamente) (por) (tentar) (disfarçar-se). (É) (como) (dizer) (um) (“amo-te”), (sincero), ( “(muito)” ). (O) (“muito”) (quer) (esconder-se) (por) (detrás) (do) (“amo-te”) (e), (no) (entanto), (dá) (mais) (nas) (vistas), (como) (se) (chamasse), (desesperadamente), (a) (atenção). (Mas) (quando) (o) (disfarce) (é) (excessivo), (então) (ele) (torna-se) (irremediavelmente) (vulgar). (Como) (muitos (“ (muito)” ) (e) (apenas) (um) “amo-te” (descoberto), (a) (nu). (Então), (aquilo) (que) (se) (mostra), (aquilo) (que) (não) (pretende) (de) (forma) (nenhuma) (esconder-se) (nem) (exibir-se), (aquilo) (que) (quer) (simplesmente) (ser) (igual) (a) (si) (mesmo), (cai) (acidentalmente) (na) (luz) (da) (ribalta). (Como) (muitos) (“ (muito)”) (insignificantes) (e) (um) (amo-te) (sincero), (genuíno), (real), (autêntico), (espontâneo) (e) (sem) (qualquer) (intenção) (de) (se) (esconder).

(Porque) (temos) (nós) (tanta) (necessidade) (de) (procurar) (e) (nos) (focar) (naquilo) (que) (quer) (ficar) (na) (sombra), (protegido) (do) (mundo) (real)? (E) (quando) (esta) (sombra) (protectora) (se) (transforma) (em) (algo) (vulgar), (comum), (mais) (do) (mesmo), (uma) (espécie) (de) (sol) (sem) (nada) (de) (novo) (por) (baixo), (por) (cima) (ou) (pelos) (lados), (porque) (procuramos) (o) (que), (de) (repente), (ficou) (a) (descoberto) (e) (é) (agora) (algo) (verdadeiramente) (único)?

Cláudia

quarta-feira, 20 de abril de 2011


Qual é o parasita mais resiliente? Uma bactéria? Um vírus? Um verme intestinal?

Uma ideia.

Resiliente. Altamente contagiosa. Quando uma ideia se apodera do cérebro, é praticamente impossível erradicá-la. Uma ideia que esteja completamente formada e seja completamente apreendida, enraíza-se.

Aqui dentro, algures.

In Inception (A Origem), Christopher Nolan.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

É isto.



- Excuse me.
- Excuse me.

- Hey. Could we do that again? I know we haven't met, but I don't want to be an ant, you know?
I mean, it's like we go through life with our antennas bouncing off one another, continuously on ant auto-pilot with nothing really human required of us. Stop. Go. Walk here. Drive there. All action basically for survival.
All communication simply to keep this ant colony buzzing along in an efficient polite manner. "Here's your change."

I don't want a straw, I want real human moments.
I want to see you. I want you to see me. I don't want to give that up.

I don't want to be an ant, you know?
I want to see you. I want you to see me. I don't want to give that up.

- Yeah. Yeah, no. I don't want to be an ant either. Yeah, thanks for kind of jostling me there.
I've been kind of on zombie auto-pilot lately, I don't feel like an ant in my mind, but I guess I probably look like one. It's kind of like D.H. Lawrence had this idea of two people meeting on a road. And instead of just passing and glancing away, they decide to accept what he calls "the confrontation between their souls." It's like, um, freeing the brave reckless gods within us all.

- Then it's like we have met.

- So it has a lot to do with choices and honoring people's ability to say what it is that they wanna see, and also consumerism and art and commodity, and if you don't like what you got, then you can send it back,
or you get what you pay for, or just participating, just really making choices. So, you wanna do it?

- Uh, yeah, yeah, that sounds really cool. I'd love to be in it, but, um ... Uh, I kind of gotta ask you a question first though. I don't really know how to say it, but, um, uh, what's it like to be a character in a dream? 'Cause, uh, I'm not awake right now. And I haven't even worn a watch since, like, fourth grade. I think this is the same watch too. Um, uh, yeah, I don't even know if you're able to answer that question, but I'm just trying to get like a sense of where I am and what's going on.

- So what about you? What's your name? What's your address? What are you doing?

- I, I, you know, I can't really remember right now. I can't really, I can't really recall that. But that's beside the point, whether or not I can dredge up this information about, you know, my address, or, you know, my mom's maiden name, or what not. I've got the benefit in this reality, if you wanna call that, of a consistent perspective.

- What is your consistent perspective?

- It's mostly just me dealing with a lot of people who are exposing me to information and ideas that seem vaguely familiar, but, at the same time, it's all very alien to me. I'm not in an objective, rational world. Like I've been flying around. Uh ... I don't know. It's weird too because it's not like a fixed state, it's more like this whole spectrum of awareness. Like the lucidity wavers. Like, right now, I know that I'm dreaming, right? We're, like, even talking about it. This is the most in myself and in my thoughts that I've been so far. I'm talking about being in a dream. But, I'm beginning to think that it's something that I don't really have any precedent for. It's, it's totally unique. The, the quality of, of the environment and the information that I'm receiving.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Nada de novo debaixo do sol.




The big wheel keeps on turning
On a simple line day by day
The earth spins on its axis
One man struggle while another relaxes

There's a hole in my soul like a cavity
Seems like the world is out to gather just by gravity
The wheel keeps turning the sky's rearranging
Look my son the weather is changing

I'd like to feel that you could be free
Look up at the blue skies beneath a new tree
Sometime again
You'll turn green and the sea turns red
My son I said the power of axis over my head

The big wheel keeps on turning
On a simple line day by day
The earth spins on its axis
One man struggle while another relaxes

We sang about the sun and danced among the trees
And we listened to the whisper of the city on the breeze
Will you cry in the most in a lead-free zone
Down within the shadows where the factories drone
On the surface of the wheel they build another town
And so the green come tumbling down
Yes close your eyes and hold me tight
And i'll show you sunset sometime again

The big wheel keeps on turning
On a simple line day by day
The earth spins on its axis
One man struggle while another relaxes
As a child's silent prayer my hope hides in disguise
While satellites and cameras watch from the skies
An acid drop of rain recycled from the sea
It washed away my shadow burnt a hole in me
And all the king's men cannot put it back again
But the ghetto sun will nurture life
And mend my soul sometime again

The big wheel keeps on turning
On a simple line day by day
The earth spins on its axis
One man struggle while another relaxes


The big wheel keeps on turning
On a simple line day by day
The earth spins on its axis
One man struggle while another relaxes

sexta-feira, 8 de abril de 2011

A Viagem do Elefante, José Saramago V - Sempre chegamos ao sítio aonde nos esperam.



Têm razão os cépticos quando afirmam que a história da humanidade é uma sucessão de ocasiões perdidas. Felizmente, graças à inesgotável generosidade da imaginação, cá vamos suprindo as faltas, preenchendo as lacunas o melhor que se pode, rompendo passagens em becos sem saída e que sem saída irão continuar, inventando chaves para abrir portas orfãs de fechadura ou que nunca a tiveram (…) Apesar de toda a crítica que sobre ele se vem fazendo, o mundo vai descobrindo em cada dia maneiras de ir funcionando tant bien que mal, permita-se-nos esta pequena homenagem à cultura francesa, a prova é que quando as coisas boas não sucedem por si mesmas na realidade, a livre imaginação dá uma ajuda à composição equilibrada do quadro.

(…) Realmente, o maior desrespeito à realidade (…) que se poderá cometer quando nos dedicamos ao inútil trabalho de descrever uma paisagem, é ter de fazê-lo com palavras que não são nossas, que nunca foram nossas, repare-se, palavras que já correram milhões de páginas e de bocas antes que chegasse a  nossa vez de as utilizar, palavras cansadas, exaustas de tanto passarem de mão em mão e deixarem em cada uma parte da sua substância vital.

Contam-se muitas coisas e nem todas serão certas, mas o ser humano foi desta maneira feito, tão capaz de crer que o pêlo de elefante, depois de um processo de maceração, faz crescer o cabelo, como de imaginar que leva dentro de si uma luz única que o conduzirá pelos caminhos da vida, incluindo os desfiladeiros. De uma maneira ou de outra, dizia o sábio, sempre teremos de morrer.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

A Viagem do Elefante, José Saramago IV - Sempre chegamos ao sítio aonde nos esperam.



Certos mistérios da natureza parecem à primeira vista impenetráveis e a prudência talvez aconselhe a deixá-los assim, não seja que de um conhecimento adquirido em bruto acabe por nos vir mais mal que bem. Veja-se, por exemplo, o resultado de ter comido adão no paraíso o que parecia uma vulgar maçã. Pode ser que o fruto proibido tenha sido obra deliciosa de deus, embora haja quem afirme que foi, sim, uma talhada de melancia, porém, as sementes, em qualquer caso, essas, foram lá postas pelo diabo. Ainda por cima, negras.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

A Viagem do Elefante, José Saramago III - as diferenças de carácter entre os animais e os humanos.


Uma pessoa pode ser abraçada por um elefante, mas não há maneira nenhuma de imaginar o gesto contrário correspondente. E quanto aos apertos de mãos, esses, seriam simplesmente impossíveis, cinco insignificantes dedos humanos jamais poderão abarcar uma patorra grossa como um tronco de árvore. 
(…) E não tenham medo, salomão está triste, mas não está zangado, tinha-se habituado a vocês e agora descobriu que se vão embora, E como o soube ele, Essa é uma daquelas coisas que nem vale a pena perguntar, se o interrogássemos directamente, o mais certo seria não nos responder, Por não saber ou por não querer, Creio que na cabeça de salomão o não querer e o não saber se confundem numa grande interrogação sobre o mundo em que o puseram a viver, aliás, penso que nessa interrogação nos encontramos todos, nós e os elefantes.

Pela primeira vez na história da humanidade, um animal despediu-se, em sentido próprio, de alguns seres humanos, como se lhes devesse amizade e respeito, o que os preceitos morais dos nossos códigos de comportamento estão longe de confirmar, mas que talvez se encontrem inscritos em letras de outro nas leis fundamentais da espécie elefantina.

sábado, 2 de abril de 2011

A Viagem do Elefante, José Saramago II - Sempre chegamos ao sítio aonde nos esperam.



Não é verdade que o céu seja indiferente às nossas preocupações e anseios. O céu está constantemente a enviar-nos sinais, avisos, e se não dizemos bons conselhos é porque a experiência de um lado e do outro, isto é, a dele e a nossa, já demonstrou que não vale a pena esforçar a memória, que todos a temos mais ou menos fraca (…) É este o grande equívoco do céu, como a ele nada é impossível, imagina que os homens, feitos, segundo se diz, à imagem e semelhança do seu poderoso inquilino, gozam do mesmo privilégio.

(…) a morte é entendida como princípio gerador da vida.

(…) porque tudo isto são palavras, e só palavras, fora das palavras não há nada (…) uma palavra que, como todas as mais, só por outras palavras poderá ser explicada, mas, como as palavras que tentaram explicar, quer tenham conseguido fazê-lo ou não, terão, por sua vez, de ser explicadas, o nosso discurso avançará sem rumo, alternará, como por maldição , o errado com o certo, sem se ar conta do que está bem e do que está mal.

(…) uma boa coisa que a ignorância tem é defender-nos dos falsos saberes.
Somos, cada vez mais, os defeitos que temos, não as qualidades.
(…) assim se demonstrando, uma vez mais, não só que o óptimo é inimigo do bom, mas também que o bom, por muito que se esforce, nunca chegará aos calcanhares do óptimo.
Ter de pagar pelos próprios sonhos deve ser o pior dos desesperos.
Quando o cérebro divaga, quando nos arrebata nas asas do devaneio, nem damos pelas distâncias percorridas, sobretudo quando os pés que nos levam não são os nossos.
O egoísmo, geralmente tido por uma das atitudes mais negativas e reprováveis da espécie humana, pode ter, em certas circunstâncias, as suas boas razões.
(…) o respeito pelos sentimentos alheios é a melhor condição para uma próspera e feliz vida de relações e afectos. É a diferença entre um categórico Levanta-te e um dubitativo E se tu te levantasses.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

A Viagem do Elefante, José Saramago I - Sempre chegamos ao sítio aonde nos esperam.




Dando tempo ao tempo, todas as coisas do universo acabarão por se encaixar umas nas outras.

(…) a vida ri-se das previsões e põe palavras onde imaginámos silêncios, e súbitos regressos quando pensámos que não voltaríamos a encontrar-nos.

O passado é um imenso pedregal que muitos gostariam de percorrer como se de uma auto-estrada se tratasse, enquanto outros, pacientemente, vão de pedra em pedra, e as levantam, porque precisam saber o que há por baixo delas.

O destino, quando lhe dá para aí, é capaz de escrever por linhas tortas e torcidas tão bem como deus, ou melhor ainda.

Não é todos os dias que aparece nas nossas vidas um elefante.

quarta-feira, 30 de março de 2011


Como já devíamos saber, a representação mais exacta, mais precisa, da alma humana é o labirinto. Com ela tudo é possível.

In A Viagem do Elefante, José Saramago

sábado, 26 de março de 2011

Caim, José Saramago III

A história dos homens é a história dos seus desentendimentos com deus, nem ele nos entende a nós, nem nós o entendemos a ele.

Chorar o leite derramado não é tão inútil como se diz, é de alguma maneira instructivo, porque nos mostra a verdadeira dimensão da frivolidade de certos procedimentos humanos, porquanto se leite se derramou, derramado está, e só há que limpá-lo, e se abel foi morto de morte malvada é porque alguém lhe tirou a vida.

(...) a carne é supinamente fraca, e não tanto por sua culpa, pois o espírito, cujo dever, em princípio, seria levantar uma barreira contra todas as tentações, é sempre o primeiro a ceder, a içar a bandeira branca da rendição.

(...) e o inefável, como sabemos, é precisamente o que está para lá de qualquer possibilidade de expressão.

(...) tão natural é querermos saber o que se passa nas nossas costas. É possível que o senhor tivesse querido punir a curiosidade como se se tratasse de um pecado mortal, mas isso também não abona muito a favor da sua inteligência, veja-se o que sucedeu com a árvore do bem e do mal, se eva não tivesse dado o fruto a comer a adão, se não o tivesse comido ela também, ainda estariam no jardim do edén, com o aborrecido que aquilo era.

(...) Lúcifer sabia bem o que fazia quando se rebelou contra deus, há quem diga que o fez por inveja e não é certo, o que ele conhecia era a maligna natureza do sujeito.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Caim, José Saramago II

Abel tinha o seu gado, caim o seu agro e, como mandavam a tradição e a obrigação religiosa, oferecerão ao senhor as primícias do seu trabalho, queimando abel a delicada carne do seu cordeiro, e caim os produtos da terra, umas quantas espigas e sementes. Sucedeu então algo até hoje inexplicado. O fumo da carne oferecida por abel subiu a direito até desaparecer no espaço infinito, sinal que o senhor aceitava o sacrifício e nele se comprazia, mas o fumo dos vegetais de caim, cultivados com um amor pelo menos igual, não foi longe, disperçou-se logo ali, a pouca altura do sol, o que significa que o senhor o rejeitava sem qualquer contemplação. Inquieto, perplexo, caim propôs a abel que trocassem de lugar, podia ser que houvesse ali uma corrente de ar que fosse a causa do distúrbio, e assim fizeram, mas o resultado foi o mesmo. Estava claro, o senhor desdenhava caim. Foi então que o verdadeiro carácter de abel veio ao de cima. Em lugar de se compadecer do desgosto do irmão e consolá-lo, escarneceu dele, e, como se isso ainda não fosse pouco, desatou a enaltecer a sua própria pessoa, proclamando-se, perante o atónito e desconcertado caim, como o favorito do senhor, como o eleito de deus. O infeliz caim não teve outro remédio que engolir a afronta e voltar ao trabalho. A cena repetiu-se, invariável, durante uma semana, sempre um fumo que subia, sempre um fumo que podia tocar-se com a mão e logo se desfazia no ar. E sempre a falta de piedade de abel, os dichotes de abel, o desprezo de abel. Um dia caim pediu ao irmão que o acompanhasse a um vale próximo (...) e ali, com as suas próprias mãos, o matou a golpes de uma queixada de jumento, que havia escondido antes no silvado, portanto com a leivosa premeditação. Foi nesse exacto momento, isto é, atrasado em relação aos acontecimentos, que a voz do senhor soou, e não só soou ela como apareceu ele. (...) Que fizeste com o teu irmão, perguntou, e caim respondeu com outra pergunta, Era eu o guarda-costas do meu irmão, Mataste-o, Assim é, mas o primeiro culpado és tu, eu daria a vida pela vida dele se tu não tivesses destruído a minha, Quis pôr-te à prova, E tu quem és para pôr à prova o que tu mesmo criaste, Sou o dono soberano de todas as coisas, E de todos os seres, dirás, mas não de mim nem da minha liberdade, Liberdade para matar, Como tu foste livre para deixar que eu matasse abel quando estava na tua mão evitá-lo, bastaria que por um momento abandonasses a soberba da infabilidade que partilhas com todos os outros deuses, bastaria que por um momento fosses realmente misericordioso, que aceitasses a minha oferenda com humildade, só porque não deverias atrever-te a recusá-la, os deuses, e tu como todos os outros, têm deveres para com aqueles que dizem ter criado, Esse discurso é sedicioso, É possível que o seja, mas garanto-te que, se eu fosse deus, todos os dias diria Abençoados sejam os que escolheram a sedição porque deles será o reino da terra, Sacrilégio, Será, mas em todo o caso, nunca maior que o teu, que permitiu que abel morresse, Tu é que o mataste, Sim, é verdade, eu fui o braço executor, mas a sentença foi ditada por ti, O sangue que aí está não o fiz verter eu, caim podia ter escolhido entre o mal e o bem, se escolheu o mal pagará por isso, Tão ladrão é aquele que vai à missa como o que fica a vigiar o guarda, disse caim, E se esse sangue reclama vingança, insistiu deus, Se é assim, vingar-te-ás ao mesmo tempo de uma morte real e de outra que não chegou a haver, Explica-te, Não gostarás do que vais ouvir, Que isso não te importe, Fala, É simples, matei abel porque não podia matar-te a ti, pela intenção estás morto, Compreendo o que queres dizer, mas a morte está vedada aos deuses, Sim, embora devessem carregar com todos os crimes cometidos em seu nome ou por sua causa, Deus está inocente, tudo seria igual se não existisses, Mas eu, quando matei, poderei ser morto por qualquer pessoa que me encontre, Não será assim, farei um acordo contigo, Um acordo com um réprobo, perguntou caim, mal acreditava no que acabara de ouvir, Diremos que é um acordo de responsabilidade partilhada pela morte de abel, Reconheces então a tua parte de culpa, Reconheço, mas não digas a ninguém, será um segredo entre deus e caim, Não é certo, devo estar a sonhar, Com os deuses isso acontece muitas vezes, Por serem, como se diz, inescrutáveis os vossos desígnios, perguntou caim, Essas palavras não as disse nenhum deus que eu conheça, nunca nos passaria pela cabeça dizer que os nossos desígnios são inescrutáveis, isso foi coisa inventada por homens que presumem de ser tu cá, tu lá com a divindade, Então não serei castigado pelo meu crime, perguntou caim, A minha porção de culpa não absolve a tua, terás o teu castigo, Qual, Andarás errante e perdido pelo mundo, Sendo assim qualquer pessoa me poderá matar, Não, porque porei um sinal na tua testa, ninguém te fará mal, mas, em pago da minha benevolência, procura tu não fazer mal a ninguém, disse o senhor, tocando com o dedo indicador na testa de caim, onde apareceu uma pequena mancha negra, Este é o sinal da tua condenação, mas é também o sinal de que estarás toda a vida sob a minha protecção e sob a minha censura, vigiar-te-ei onde quer que estejas, Aceito, disse caim, Não terias outro remédio, Quando principia o meu castigo, Agora mesmo, Poderei despedir-me dos meus pais, perguntou caim, Isso é contigo, em assuntos de família não me meto, mas com certeza vão querer saber onde está abel, e suponho que não lhe irás dizer que o mataste, Não, Não, quê, Não me despedirei dos meus pais, Então parte. Não havia mais nada a dizer. O senhor desapareceu antes que caim tivesse dado o primeiro passo. A cara de abel estava coberta de moscas, havia moscas nos seus olhos abertos, moscas na comissura dos lábios, moscas nas feridas que tinha sofrido nas mãos quando as levantara para se proteger dos golpes. Pobre abel, a quem deus tinha enganado. O senhor havia feito uma péssima escolha para a inauguração do jardim do edén, no jogo da roleta posto a correr todos tinham perdido, no tiro ao alvo, cegos, ninguém havia acertado. A eva e adão ainda restava a possibilidade de gerarem um filho para compensarem a perda do assassinado, mas bem triste há-de ser a gente sem outra finalidade na vida que a de fazer filhos sem saber porquê nem para quê. Para continuar a espécie, dizem aqueles que crêem num objectivo final, numa razão última, embora não tenham nenhuma ideia sobre quais sejam e que nunca se perguntarem em nome de que terá a espécie que continuar como se fosse ela a única e derradeira esperança do universo. Ao matar abel, por não poder matar o senhor, caim deu já a sua resposta. Não se augure nada bom da vida futura desse homem.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Caim, José Saramago I

De facto, só viria a aparecer muito mais tarde, em data de que não ficou registo, para expulsar o infeliz casal do jardim do edén, pelo crime nefando de terem comido o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Este episódio, que deu origem à primeira definição de um até ai ignorado pecado original, nunca ficou bem explicado. Em primeiro lugar, mesmo a inteligência mais rudimentar não teria qualquer dificuldade em compreender que estar informado sempre será preferível a desconhecer, normente em matérias tão delicadas como são estas do bem e do mal, nas quais qualquer um se arrisca, sem dar por isso, a uma condenação eterna no inferno que até então ainda estava por inventar. Em segundo lugar, brada aos céus a imprevidência do senhor, que se realmente não queria que lhe comessem do tal fruto, remédio fácil teria, bastaria não ter plantado a árvore, ou ir pô-la noutro sítio, ou rodeá-la por uma cerca de arame farpado. E, em terceiro lugar, não foi por terem desobedecido à ordem de deus que adão e eva descobriram que estavam nus. Nuzinhos, em pelota extrema, já eles andavam quando iam para a cama, e se o senhor nunca havia então reparado em tão evidente falta de pudor, a culpa era da cegueira do progenitor, a tal, pelos vistos incurável, que nos impede de ver que os nossos filhos, no fim de contas, são tão bons ou tão maus como os demais.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Supermíssimo, íssimo, íssimo, íssimo, cansaço.

O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas -
Essas e o que faz falta nelas eternamente -;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo,
Cansaço...

Fernando Pessoa

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Se eu ficar aqui,
Se eu ficar aqui, apenas,
Ficas comigo?
E esqueces-te do resto do mundo?

sábado, 19 de fevereiro de 2011

"Desenhei, porque não tinha palavras para me expressar".


Os ditos opostos não são assim tão antagónicos, ontologicamente falando.

A felicidade pode ser angústia.
O tudo pode ser nada.
A morte pode ser vida.
O prazer pode ser dor.
O fim é, definitivamente, uma espécie de começo.
Um passo em frente significa o mesmo e leva-nos ao mesmo lugar que um passo atrás.

Há, até, acredito profundamente, um ponto onde tudo, tudo, tudo quanto há no mundo, se toca.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Poema em linha recta.



Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cómico criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado,
Para fora da possiblidade do soco;
Eu que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu que verifico que não tenho par nisto neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo,
Nunca teve um acto ridículo, nunca sofreu um enxovalho,
Nunca foi senão - princípe - todos eles princípes - na vida...

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana,
Quem confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó princípes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde há gente no mundo?

Então só eu que é vil e erróneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que tenho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

Álvaro de Campos (heterónimo de Fernando Pessoa)

sábado, 12 de fevereiro de 2011

LisbonRevisted.

Nada me prende a nada.
Quero cinquenta coisas ao mesmo tempo.
Anseio com uma angústia de fome de carne
O que não sei que seja -
Definidamente pelo indefinido...
Durmo irrequieto, e vivo num sonhar irrequieto
De quem dorme irrequieto, metade a sonhar.

Fecharam-me todas as portas abstractas e necessárias.
Correram cortinas de todas as hipóteses que eu poderia ver da rua.
Não há na travessa achada o número da porta que me deram.

Acordei para a mesma vida para que tinha adormecido.
Até os meus exércitos sonhados sofreram derrota.
Até os meus sonhos se sentiram falsos ao serem sonhados.
Até a vida só desejada me farta - até essa vida...

Compreendo a intervalos desconexos;
Escrevo por lapsos de cansaço;
E um tédio que é até do tédio arroja-me à praia.
Não sei que destino ou futuro compete à minha angústia sem leme;
Não sei que ilhas do sul impossível aguardam-me naufrago;
ou que palmares de literatura me darão ao menos um verso.

Não, não sei isto, nem outra coisa, nem coisa nenhuma...
E, no fundo do meu espírito, onde sonho o que sonhei,
Nos campos últimos da alma, onde memoro sem causa
(E o passado é uma névoa natural de lágrimas falsas),
Nas estradas e atalhos das florestas longínquas
Onde supus o meu ser,
Fogem desmantelados, últimos restos
Da ilusão final,
Os meus exércitos sonhados, derrotados sem ter sido,
As minhas cortes por existir, esfaceladas em Deus.

Outra vez te revejo,
Cidade da minha infãncia pavorosamente perdida...
Cidade triste e alegre, outra vez sonho aqui...

Eu? Mas sou eu o mesmo que aqui vivi, e aqui voltei,
E aqui tornei a voltar, e a voltar.
E aqui de novo tornei a voltar?
Ou somos todos os Eu que estive aqui ou estiveram,
Uma série de contas-entes ligados por um fio-memória,
Uma série de sonhos de mim de alguém de fora de mim?

Outra vez te revejo,
Com o coração mais longínquo, a alma menos minha.

Outra vez te revejo - Lisboa e Tejo e tudo -,
Transeunte inútil de ti e de mim,
Estrangeiro aqui como em toda a parte,
Casual na vida como na alma,
Fantasma a errar em salas de recordações,
Ao ruído dos ratos e das tábuas que rangem
No castelo maldito de ter que viver...

Outra vez te revejo,
Sombra que passa através das sombras, e brilha
Um momento a uma luz fúnebre desconhecida,
E entra na noite como um rastro de barco se perde
Na água que deixa de se ouvir...

Outra vez te revejo,
Mas, ai, a mim não me revejo!
Partiu-se o espelho mágico em que me revia idêntico,
E em cada fragmento fatídico vejo só um bocado de mim -
Um bocado de ti e de mim!...


Álvaro de Campos (heterónimo de Fernando Pessoa)