quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Leitura de Aura II - A Revolta

A contradição absoluta.
Do ser azul.
Azul forte. Brilhante.

Comunicação e poder de abertura.
Sol. Reluzente. Com raios espalhados.
Por cima dela.
Busca alimento aos outros.
Alimenta-se a si própria.
Luz. Em espiral.
Deixa a energia solta.
Não a contém.
(que sentido faz contê-la?)
Guia-se pela busca de sensações.
O que sente é o que é válido.


Rosa com pétalas abertas.
Mas recontorcidas.
Viçosa e aberta.
Segura. Firme.
Gosta de se sentir e mostrar bonita.

A determinação. A obstinação.
Sede de aprender.
Desejo de conhecer.
Querer saber. Questionar.
De forma ingénua, expôr o que não sabe 
- e o que quer saber. 
Despretenciosamente.


O passado que é hoje presente.
O totalmente inesperado. 
O conforto. A tranquilidade. O à-vontade.
Preocupações.
Marcas, fortes.
Orgulho.
Acordos cumpridos.
Mas também faltas de compreensão.
Compreensão do simples ser.
Os choques e os conflitos.
São nós nas emoções.
Que insistem em não se desfazer.
Lembranças ultrapassadas, mas que atormentam e castigam.
Coisas que ficaram por dizer. E por resolver.

As fragilidades. 
A ingenuidade.
Ficar sentida com os males do mundo.
Precisa criar uma protecção para se defender.
Para não ser sugada.
Mas não há remorsos, nem raivas, nem rancores, nem vinganças.
Não há espinhos na rosa.

A alma jovem. 
Não tem raivas guardadas,
mas há uma revolta.
A revolta de nunca conseguir dar o que quer.
O sufoco.
A constante sensação de que nunca é o suficiente. Nada o é.
Algo ou alguém trava-a de dar tudo o que tem para dar.
Acaba por impedir-se a si mesma de dar mais por acreditar que nunca nada será suficiente.

As dúvidas existenciais.
A noção de insignificância.
A efemeridade da passagem.
Ainda assim, em paz.
Com o conflito interno, com o equilíbrio desequilibrado.
Com a revolta do não conseguir ser o suficiente.
Está em paz.

A contradição.


Tudo isto e tanto mais.

2 comentários:

Bruno Fernandes disse...

Senti me tão bem ao ler o que escreveste Cláudia! Porque de alguma forma fez-me sentir a forma como vejo as coisas, vistas também pelo olhar e sentimento de outra pessoa! Estás de parabéns!

paula pinheiro disse...

Tudo isso e muito mais :)