sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Sempre fui pouco confrontadora. Achava que era um defeito, que me deixava pisar, rebaixar, deixar os outros levar a melhor. Com o tempo, aprendi que ser pouco confrontadora permitia-me uma maior paz interior. Ao que não dou importância, não confronto, ao que me é indiferente, não confronto. As atitudes alheias que nunca confrontei, deixaram de me incomodar. Deixei de ter a necessidade de confrontar os outros por achar que era o que devia fazer, mas não conseguir e viver numa insatisfação interior permanente. A palavra-chave que estava errada nesta equação era, precisamente, o "devia fazer". Não devo fazer nada que não queira ou não ache que deva fazer. Assim, com o tempo, deixei de ter necessidade de me confrontar comigo mesma por não conseguir confrontar os outros. O que me incomodava, deixou de incomodar, e encontrei uma paz maior. Afinal, as más atitudes ficam em quem as tem, não em quem as recebe ou para quem elas são dirigidas.

1 comentário:

→ Calipso disse...

Estou sempre a tentar lembrar-me disto "Não devo fazer nada que não queira ou não ache que deva fazer.".